Arquivos do Blog

Produtos Freetalk para Skype

Também recebemos para testes faz um tempinho alguns produtos da Freetalk especialmente produzidos para o Skype. A resenha foi publicada em outros locais, mas achamos interessante colocar aqui também para vocês consultarem.

Se voce utiliza bastante o Skype vai querer algo mais confortável do que os fones do seu radinho e aquele microfone bege em pedestal que fica atrapalhando a sua mesa. Para isso, no próprio site do Skype você encontra uma área que vende acessórios a preços razoáveis, entregando tudo gratuitamente no Brasil. Nós testamos alguns deles para você.

FREETALK® Freedom Wireless (R$171,74) – Esses são os fones de ouvido para quem gosta de liberdade. Pra começar ele é USB, então não ocupa as saídas de áudio do seu PC. Além disso, ele é sem fio! Ou seja, dá pra ficar falando enquanto anda pela sala em uma distância de até 5 metros, ou dançar sem enroscar nos fios. Ele tem boa vedação sonora, a tira que se acomoda na cabeça é acolchoada e seu microfone tem som claro e é bem flexível. Ele é perfeito para ligações pelo Skype e ótimo para escutar músicas, dá até para controlar o volume do som pelo fone.

Sua bateria agüenta aproximadamente 5 horas de uso. Após isso, basta conectar o fone em seu dongle pelo cabo e continuar usando-o sem problemas enquanto ele recarrega. Além disso, vem com um case para ser guardado e levado por aí, já que é todo dobrável. Seus únicos problemas são que suas partes plásticas podem ser frágeis demais e que ficar com ele tempo demais na cabeça pode incomodar um pouco.

FREETALK® Everyman USB (R$75,52) – Esse fone é versátil. Além da conexão USB, igual ao seu irmão sem fio, ele pode ser desplugado e utilizado como um fone normal em qualquer dispositivo que possua entrada padrão (3,5mm). Ele é dobrável e pode ficar bem compacto, ocupando pouco espaço em uma mala. Seu funcionamento é plug & play, bastou conectar que ele já está funcionando, sem drivers. A vedação sonora não é muito boa, mas ele compensa possuindo um som muito alto, com ótimos graves e agudos.

Seu microfone é flexível e tem bom som, perfeito para conversas pelo Skype já que possui eliminador de ruídos no áudio. Ele também serve para ouvir música, mas com o som muito alto todos à sua volta irão escutar o que você está ouvindo. Sua única desvantagem é a tira de plástico que se apóia na cabeça, que pode incomodar um pouco depois de uso extenso. Pelo preço ele possui ótima relação custo X benefício.

FREETALK® Buddy Web Cam (R$50,52) – Se você não tem webcam no computador e quer mostrar os netinhos para sua mãe ou falar com a namorada, essa aqui é uma boa webcam, por um preço bem acessível. A Buddy Web Cam já chama atenção pelo seu formato. A câmera está embutida em um bonequinho de plástico flexível, que além de poder ser dobrado para ficar em cima do monitor por exemplo, além de virar item de decoração. Essa webcam ajusta automaticamente e constantemente os níveis de luminosidade da cena, então você pode acender a luz sem virar um fantasma. A imagem é boa, já que conta com 1,3 megapixel de resolução. Ela não possui microfone integrado, mas tem um botão que tira fotos instantâneas. O que é instantâneo também é seu funcionamento: plugou, funcionou, sem dor de cabeça. Se você procura um kit legal para começar, o FREETALK® Buddy Pack vem com a webcam e o FREETALK® Everyman USB, pelo preço de R$100,97.

Anúncios

Alto-falantes X-mini MAX II

Pela primeira vez na história desse blog recebemos um produto para testes! Sim! A X-mini nos cedeu para review dois de seus fantásticos produtos. Não é puxa-saquismo. Quando chegou pelo correio, lá da Tailândia, fiquei boquiaberta com a qualidade desses bichinhos, além da beleza deles. Vejam o que achei:

Smartphones, apesar de tão espertos, de tão poderosos em processamento, de sua capacidade de realizar diversas tarefas, não são um aparelho de som. Não dá para escutar música nele sem um bom par de fones de ouvido. Contar com o som dos pífios alto-falantes que esses aparelhos trazem só é possível em locais silenciosos, e se muita exigência de qualidade.

O X-mini MAX II é a solução para isso. Esse conjunto de alto-falantes é tão compacto quanto um smartphone, cabe facilmente na mochila ou na bolsa, pesando apenas 178 gramas. O design dele arrasa: esse modelo vermelho que testamos é muito bonito, com acabamento emborrachado. No saquinho que acompanha, ele é guardado fechadinho e as caixinhas são fixadas por ímãs na base, para melhor proteção do conjunto. Só o que atrapalhou foi o fio grande demais e todo desengonçado, acaba deixando o conjunto um pouco poluído e feinho…

Tira do saquinho, abre, pluga no celular e liga. Ele tem interface simples, controla apenas a energia e o volume. O som é impressionante para bichinhos tão pequenos. E por serem dois, o estéreo não deixa a desejar. Com um mini subwoofer embutido ele tem potência de 2,5W RMS em cada caixinha. E graças à tecnologia Buddy Jack é possível ligar outras caixinhas da X-mini  a eles, fazendo um som ainda melhor.

Ele vem com bateria que é carregada por cabo mini USB direto no computador. Com uma carga de 3 horas ele fica até 12 horas direto bombando na sua mesa, na festa, na viagem, etc. Esse mesmo cabo USB é usado para ligar uma caixinha na outra, para regular o volume e para plugar tudo no aparelho, seja um celular, um iPod, iPad ou notebook. Aliás, ele é a solução perfeita também para o som dos notebooks, que sempre deixam a desejar.

Não teve jeito. Pra quem quer que eu mostrasse essas caixinhas, recebia uns suspiros de volta. Todos se apaixonaram pela praticidade e pela potência do som. E não é por causa da gentileza do fabricante em ter me enviado os produtos para teste que eu estou rasgando elogios. É verdade mesmo, quando um produto é bom, a gente tem que falar.

Serviço:
Preço: R$199,90 (fnac.com.br)
Web: xm-i.com

* Crédito das fotos: Eduardo Rodrigues

Alto-falantes X-mini II

Aqui segue a resenha do outro produto que a X-mini generosamente nos cedeu para testes:

Em um mundo em que cada vez tudo vai ficando menor, a qualidade do som é algo que acompanha essa linha. Smartphones, tablets e notebooks são caros mas não têm um som de qualidade para que você possa escutar suas músicas on the go. Para resolver isso, a X-mini chega com sua segunda geração de alto falantes portáteis.

Seu visual é futurista, parece uma pequena bolinha quando fechado. Essa forma compacta e bonita ganhou dois prêmios de design no exterior.  Ele cabe na palma da mão e pesa apenas 83 gramas. Ideal para ser levado na bolsa ou na mochila, já que ele também é protegido para isso. Mais prático ainda é o cabinho com plugue padrão 3.5mm, que já vem na caixinha e se encaixa na carcaça dela. A interface também é simples: só tem o botão que liga e desliga e a rodinha que controla o volume.

Quando aberto, abre bocas também. Mesmo com esse tamanho, ele tem uma potência de 1,9W RMS, chegando a até 80 decibéis de volume. A qualidade do som espanta, explicada pelo mini subwoofer embutido. Mas cuidado: quanto maior o volume em que ele é deixado mais ele vibra, chegando a se mexer em cima da mesa e a cair no chão se você não prestar atenção.

E se ele for pouco para você, não se apoquente: ele vem com a tecnologia Buddy Jack, que permite que outros produtos da X-mini sejam acoplados a ele, produzindo um som melhor em conjunto. Uma boa solução para viagens.

Com apenas 2,5 horas de carga ele pode ficar até 8 horas ligado. Dura então a mesma coisa que a bateria de um notebook ou um smartphone. Na caixa do X-mini II vem também um saquinho para guardá-lo e um cabo mini USB para a carga no computador.

Eu até fico sendo meio suspeita para falar. Assim que eu tirei da caixa, foi amor à primeira vista, de tão bonitinho que era. Quando eu liguei esse pequenino no meu smartphone então, é como se meus olhos tivessem ficado *_* Eu adorei demais, achei tãããããão prático de levar na bolsa e tão poderosinho… acho que vale muito a compra. Bem mais do que aqueles conjuntinhos de som mequetrefes pra PC que tem por aí…

Serviço:
Preço: R$99,90 (fnac.com.br)
Web: xm-i.com

*Crédito das fotos: Eduardo Rodrigues

Direção de arte em Propaganda

Este é o título de um livro de Newton Cesar, um publicitário (entre outras atividades) que já publicou vários outros livros, todos de ficção.

O ponto positivo do livro é praticidade. Todas as informações e dicas são apresentadas de modo didático, com muitas imagens e diagramas. E, apesar do nome dizer “direção”, algo que pode assustar um pouco o iniciante na área, o livro trata o leitor de forma respeitosa (sem fazer com que ele pareça burro), mas não deixa de ensinar o básico, coisasque até um Diretor de Arte experiente pode deixar passar de vez em quando. São informações dos mais variados tipos sobre pubicidade, design, diagramação e direção de arte em geral.

8598694207_g.jpg

Entre o conteúdo, um texto sobre o dia-a-dia de um Diretor de Arte, criações para mídia impressa, grandes formatos, marketing direto, pronto-de-venda, mídia eletrônica, design, layout, tipologia, texto, web, cores, imagem, produção gráfica e muito mais.

Eu estou lendo, acho que vale a pena conferir. Pelo preço que está, se for 50% bom já está valendo… 🙂

Serviço

Título: Direção de arte em Propaganda

Autor: Newton Cesar

Editora: Futura

Preço: R$ 35 ~ 47

Onde encontrar: O mais barato é o da Siciliano

Mouse Razer DeathAdder

Hoje tive a oportunidade de testar o mouse DeathAdder, da Razer, é um mouse para gamers, mas suas características servem muito bem para quem é designer, desenhista, artista, etc., por sua impressionante acuidade e sensibilidade.

Só pra você ter uma idéia, o sensor dele é de infravermelho 3G, de 1800dpi de definição. Apenas para comparar com o que eu uso aqui, o Mighty Mouse da Apple, esse é óptico e tem 800dpi, nem metade do que o DeathAdder. Ele tem uma resposta de 1ms, comparado a 8ms de outros mouses para gamers. A diferença entre um mouse óptico e um infravermelho é que os dois tem o mesmo princípio básico, fazendo leituras da superfície e calculando os movimentos através dos flashes de luz que emite. Porém, o chamado óptico (porque o infravermelho também é óptico) usa um LED para captar a superfície, enquanto o infravermelho utiliza um laser, proporcionando uma resolução maior nos flashes capturados. O mouse óptico convencional tem umchip com sensor que tira “fotos” da superfície conforme se move o mouse. Essas imagens são comparadas e assim o chip determina quantos pixels o mouse moveu e em qual direção. Nos mouses infravermelho, um laser brilha na superfície, e a luz desse brilho volta para o próprio laser. O movimento na superfície muda a freqüência da luz refletida em um movimento chamado DopplerShift. A diferença entre a freqüência entre a luz emitida e a refletida é captada por um sensor de foto-diodo, que regula a energia gasta no mouse. Essa regulação corresponde ao quão rápido a superfície está se movendo sob o sensor. A direção do movimento é medida pela variação de freqüência dos dois lasers posicionados ortogonalmente. ODeathAdder é ainda mais rápido e com mais acuidade porque o fato de ser para jogos faz com o que o laser fique ligado ininterruptamente para captar os movimentos instantaneamente (os mouses infravermelhos normais são programados para diminuir a intensidade do laser quando não estão em uso, para aumentar a vida útil e economizar bateria – quando sem fio –).

Para o mundo gamer, toda essa acuidade ajuda na hora de mirar inimigos com seus rifles, mais precisão na hora de andar, se esconder, etc. Para os criativos, significa mais facilidade na hora de retocar fotos, fazer desenhos vetoriais, entre outros trabalhos.

A sensação de usá-lo é muito boa. O teflon especial que tem embaixo dele torna-o extremamente silencioso, e elimina a sensação de estar gastando plástico na mesa, como no caso do Mighty Mouse. Além disso, ele é 2.5x mais rápido do que os mouses normais. No meu iMac G5, tive que colocar a velocidade do mouse no mínimo, e ainda assim ele está mais rápido do que eu queria utilizar.

Ele tem, ao seu lado, dois botões programáveis mas, infelizmente, não pude testá-los, porque o driver que acompanha o produto não tem versão para Mac. Um ponto negativo para a Razer, que em seus produtos mais antigos disponibilizava um driver (bugado, mas disponibilizava). No design do produto em si, nada a reclamar. Apesar de ser mais trambolhudo que o Mighty Mouse (que é minimalista ao extremo), ele é extremamente ergonômico, e se encaixa perfeita e suavemente à mão. A camada de borracha que fica em cima dele proporciona ainda mais conforto no uso (pena que, pelo que dá pra ver, 1 ano de uso intenso e essa borrachinha vai pro brejo), evitando que a mãoescorregue. O clicar do mouse é como nos outros mouses da Razer: silencioso e macio. Ah, outra vantagem: em relação aos outros modelos da Razer, esse é bem pouco “palhaço”, pois só fica aceso no scroll e no logotipo da empresa (nada comparado aos outros, como o Diamondback, o Copperhead,o Kralt ou o Boomslang). Porém, o fio extremamente comprido atrapalhou um pouco em cima da mesa, e o fato de usá-lo sem mouse pad fez com que ele sujasse muito rápido, e incomodasse na hora de realizar tarefas que exigiam mais precisão.

Seu preço aqui no Brasil está por volta de R$ 260 (o Mighty Mouse está R$ 300). Para um mouse bom como esse, que bate pau a pau com os melhores da Microsoft, vale a pena.

Site do produto

Prós: Silencioso, ergonômico e muito rápido. Grande acuidade.

Contra: Suja muito rápido embaixo, fio muito comprido.

Preço: R$ 260 (aprox.)

Onde encontrar: www.smartdata.com.br